Cirurgia de Estrabismo

A cirurgia de estrabismo é realizada para a correção dos desvios oculares. O princípio da cirurgia é alterar as forças de ação dos músculos oculares, modificando assim a posição dos olhos para que eles fiquem retos novamente. A cirurgia pode ser realizada em um ou nos dois olhos.

Em crianças o procedimento é sempre realizado sob anestesia geral (ver tópico anestesia). Em adultos é possível fazer a cirurgia sob anestesia local ou tópica com ou sem sedação. Após a cirurgia, o paciente fica algumas horas em observação e recebe alta no mesmo dia.

O tempo de cirurgia varia bastante, de acordo com a complexidade do caso  (variando de 20- 60 minutos). Assim que o paciente é anestesiado, é realizada a limpeza da área a ser operada. Colocamos um aparelho (blefarostato- foto) para o olho ficar aberto.

Durante a cirurgia, a membrana mais superficial do olho (conjuntiva) é cortada para se ter acesso aos músculos. Estes serão cortados e reinseridos na posição que melhor corrigirá o desvio. Normalmente, realizamos procedimentos para enfraquecer os músculos (recuos) ou para fortalecer (ressecções).

Haverá pontos internos (de fixação do músculos – não perceptíveis a olho nu) e pontos externos (na conjuntiva- diminutos fios azuis perceptíveis a olho nu). São usados fios absorvíveis nestas suturas, portanto, são reabsorvidos em até 4 semanas, não necessitam a retirada dos mesmos.

Após a cirurgia, olho estará bastante vermelho (sangue vivo) e a conjuntiva bastante inchada (com aspecto de “carne esponjosa”). Com o uso do colírio e com o passar do tempo, estas alterações irão desaparecer e o olho voltará a ficar branco. As cicatrizes serão praticamente imperceptíveis.

É importante ter conhecimento que o estrabismo (mesmo a cirurgia sendo realizada da forma mais perfeita possível) tem uma taxa de recidiva (reaparecimento do desvio) de aproximadamente 30%. Portanto, 30% dos pacientes necessitam de duas ou mais cirurgias para a correção do seu desvio.

Saiba mais sobre a saúde da visão aqui.